Divulgação


Prefeito do Rio apresentou projeto de revitalização da linha férrea
O prefeito Marcelo Crivella (PRB) detalhou o acordo de cooperação assinado entre as cidades do Rio de Janeiro e Moscou, na Rússia, durante entrevista nesta quinta-feira (25) no CASS (Centro Administrativo São Sebastião). A parceria trata-se de um projeto de revitalização do entorno da linha férrea em oito bairros, que prevê a recuperação de aproximadamente 850 mil metros quadrados de Rio de Janeiro. Crivella esteve na capital russa de 20 a 24 de maio para conhecer os projetos de reurbanização colocados em prática pela administração municipal de Moscou.
— Cidades como Paris, Nova York e Buenos Aires transformaram áreas degradadas em pontos turísticos, em espaços de lazer e convivência. Muros limitam. Sem eles, a cidade se integra — disse Crivella.
A primeira parte do projeto vai abranger as estações do Maracanã até a Central do Brasil. O prefeito estima em R$ 10 bilhões a arrecadação com a venda de Cepacs (Certificados de Potencial Adicional de Construção). Em Moscou, o prefeito assinou um Termo de Intenção de Exploração da área com o empresário imobiliário russo Alexey Semenyachenko, que pretende investir no projeto de construções sobre a linha férrea, como já fez em Moscou e que está realizando agora em Buenos Aires.  Uma delegação russa virá ao Rio no fim de julho para conhecer o local.
A prefeitura do Rio, em parceria com a iniciativa privada por meio de Cepacs, construirá lajes de concreto em cima da linha férrea e nelas serão construídas praças, parques, lojas e prédios comerciais. Cepacs são títulos usados para financiar Operações Urbanas Consorciadas que recuperam áreas degradadas nas cidades.
Durante a entrevista, o prefeito do Rio apresentou o vídeo “Rio Cidade Sem Muros”, que foi exibido ao prefeito de Moscou, Sergey Sobyanin. Crivella falou sobre a modernização de Moscou, que nos últimos seis anos revitalizou seu centro histórico, instalou uma rede de fibra ótica de sete mil metros, oferecendo um dos serviços de wifi mais velozes da Europa. A cidade, que é responsável por 70% do PIB russo, ganhou ainda autoestradas e está ampliando o metrô, inaugurado em 1935 e que transporta 9,2 milhões de pessoas. Crivella acrescentou ainda que Moscou está “verticalizando áreas pobres”, projeto que a prefeitura pretende desenvolver em Rio das Pedras e outras comunidades cariocas.
Foi assinado ainda um acordo de cooperação bilateral com a prefeitura de Moscou, que prevê o intercâmbio entre as cidades nas principais áreas da administração municipal como saúde, educação, turismo, cultura, transportes, entre outros.
Na abertura da entrevista, o prefeito do Rio resumiu suas principais “missões” nestes cinco meses de governo.

— Foram cortados cargos e contingenciados diversas despesas. Na questão da negociação do endividamento, temos que negociar com o BNDES e Caixa Econômica Federal. E negociar com uma série de fornecedores, com a Light, com COB, com VLT, com BRT. Na parte de aumento de receita, estamos negociando várias questões com a Câmara de Vereadores. E estamos tentando captar recursos externos. Temos que ter economia indutora, que traz recursos de fora para cá. Se tivermos um calendário de turismos, podemos trazer pessoas de outras partes do Brasil e do mundo, estamos trabalhando arduamente.
A viagem, feita a convite da prefeitura de Moscou, contou com as presenças do secretário de estado de Transporte, Gustavo Goulart; de um representante da Firjan; e do Embaixador Antonio Fernando Cruz de Mello, coordenador de Relações Internacionais da prefeitura do Rio de Janeiro.

Portal R7