Subscribe:

5 de novembro de 2010

Hoje nosso entrevistado é o Pastor Alan Capriles.


Hoje o nosso entrevistado será o nosso amigo pastor Alan Capriles. Do Blog (Seguindo a Verdade em Amor) Gente, sejam bonzinhos com ele, e façam suas perguntas, ele é livre para responder ou não ok
Vamos lá gente!

ENTREVISTA

Nome:

Alan Capriles

Idade:

40 anos.

Casado ou solteiro?

Casado com Rosa, pai de Filippe e Gabriel, ambos na adolescência.

De onde?

São Paulo, capital, na qual morei bem pouco tempo. Considero-me carioca.

O que faz?

Sou pastor na Igreja Bíblica Cristã. Ao contrário do que alguns pensam, ser responsável por apascentar as ovelhas de Cristo dá trabalho, e muito trabalho. Um pastor sênior - por mais bem assessorado que esteja - ainda precisa entender algo de administração, psicologia, contabilidade, advocacia, informática, sonoplastia, música, entre outras coisas menos espirituais, mas que são desafios constantes na vida de um pastor. E, quando a igreja é pequena, ou média, como a minha, o pastor ainda faz serviços de Office-boy.

É Evangélico?

O que é ser evangélico, hoje? Não gosto de rótulos. Prefiro considerar-me um discípulo de Cristo.

Congrega ou não?

Sim! Considero uma questão de sobrevivência espiritual a comunhão com os irmãos da mesma fé.

Alan na net:

http://alancapriles.blogspot.com/

http://twitter.com/alancapriles

http://www.youtube.com/PastorAlanCapriles

Como é o relacionamento com a família?

Bastante próximo, graças a Deus. Passamos muito tempo juntos.

O que acha do meio Evangélico no momento?

Que ninguém fique ofendido, pois sei que há exceções. Mas, os evangélicos, em sua grande maioria, estão deixando de ser cristãos. Passaram a pregar outro evangelho, que não é o de Cristo, a buscar outro “Jesus”, que não é o das Escrituras, e a regozijar-se com outro espírito, que não é o Espírito Santo. Sei que há exceções, por isso deixo a ressalva: estou generalizando. O “Jesus” dos evangélicos está mais para Papai Noel do que para Rei dos reis e Senhor dos senhores. O evangelho dos evangélicos não é mais centrado em Jesus Cristo, mas na vontade do homem. Pouco se prega sobre a cruz, a graça, o juízo final, a necessidade do arrependimento, da fé, e da regeneração. O que prolifera é o falso evangelho da prosperidade e da auto-realização. Os evangélicos tornaram-se semelhantes aos fariseus do tempo de Jesus: amam seus títulos, suas honrarias, suas posses, doutrinas, e fazem de tudo para serem vistos e aplaudidos pelos homens. Muitos teólogos atuais são como os escribas de antigamente, que coam um mosquito, mas engolem um camelo. E ainda são soberbos. Se podemos comparar os evangélicos com alguma igreja neo-testamentária, certamente a de Laodicéia lhe cairia bem: “dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu.” (Ap 3:17) E este é o problema: a maioria nem sabe o quão distante está do Senhor porque estão cegos! Mas, assim como o Senhor teve misericórdia de mim, despertando-me a cerca de três anos atrás, seu Espírito tem despertado outros pastores e membros para esta realidade. Sinto-me a vontade para fazer esta análise crítica do “circo evangélico”, porque já fiz parte dele, tendo me libertado pela graça de Deus. Mas, repito, há exceções.

Você acredita que a Blogosfera Cristã tem influenciado nesta eleição de 2010?

Sim, com certeza!

O que você mais admira em alguém?

Sua simplicidade.

Tem orgulho de alguém ou de si mesmo?

Acredito que o orgulho de si mesmo é um sentimento perigoso, que pode resultar em arrogância e soberba. Por isso, evito sentir orgulho de qualquer coisa que eu seja, ou faça. Quanto ao meu próximo, sinto orgulho de minha esposa, que está sempre ao meu lado, me ajudando, motivando e consolando; dos meus filhos, que só me dão alegria; de meus pais, que sempre foram exemplo para mim; e sinto orgulho dos membros que permaneceram congregando na Igreja Bíblica Cristã após as reformas doutrinárias que fizemos, a fim de retornar ao evangelho puro e simples do Senhor Jesus.

Tens apelido?

Não. E considero um milagre ter chegado aos 40 anos sem nenhum apelido. Não faltaram tentativas, mas como eu nunca me importei, acho que é por isso que nunca pegou.

Não conseguiria viver sem...

Jesus Cristo. Ele é meu tudo. Mas confesso que seria muito difícil viver também sem minha família e, pelo menos, um bom amigo. Porém, sei que tudo posso enfrentar em Cristo, que me fortalece.

Quais seus Livros e autores preferidos

Na Bíblia, meus livros preferidos são: Mateus, João, Atos, Romanos e 1João.

Meus autores prediletos: Hernandes Dias Lopes, John Piper, John MacArthur, Leonard Ravenhill e Fernando Sabino.

Os livros que mais me tocaram: A Vida de David Brainerd, de Jonathan Edwards; Testamento para El Greco, de Nikos Kazantzakis; O Menino no Espelho e O Encontro Marcado, ambos de Fernando Sabino e, recentemente, O Fim de Uma Era, de Walter McAlister, que foi meu primeiro pastor.

Que tipo de música curte?

Gosto tanto de música, que a lista seria enorme! Por isso, prefiro dizer quais os gêneros musicais que não me agradam: samba, funk e heavy-metal. Entre tantos cantores e grupos, o que mais ouço: Michael W Smith, Jason Upton e Casting Crowns. Quanto a instrumento musical, sou apaixonado por saxofone e gaita de fole.

Seus filmes preferidos:

Aqueles que eu não canso de assistir novamente: O Peregrino (a nova versão), O Náufrago, O Nome da Rosa, Em Busca da Felicidade, Guerra dos Mundos, Curtindo a Vida Adoidado, Impacto Profundo, O Resgate do Soldado Ryan, Gladiador, O Dia Depois de Amanhã e Cinema Paradiso.

Tens alguma mania?

Dormir tarde.

Um momento inesquecível:

Quando ouvi, literalmente, a voz de Deus, em março de 1989.

O que te deixa feliz?

A conversão de uma vida. Passear com minha família. Louvar ao Senhor. Pregar o evangelho. Mas quero acrescentar ainda que estar a sós com Deus em meio a natureza me deixa tão feliz, que sinto necessidade destes momentos. Gosto de sentir o vento, o calor do sol, de contemplar o verde, as montanhas, o mar, as gaivotas, o céu azul. Quando chove, gosto de ver os relâmpagos e as árvores dobradas pelo vendaval. E quando anoitece, procuro pelas estrelas, tão difíceis de ver na cidade grande. A natureza faz com que eu me sinta mais perto de Deus. E isso me deixa mais feliz.

Blogs que recomenda:

Tenho receio de ser injusto com alguém, por isso não vou mencionar uma lista. Ultimamente tenho sido muito edificado com o blog do René, (http://kasteloforte.blogspot.com/) que contém artigos de sua própria autoria. E, sem querer fazer média, o blog Mulheres Sábias é onde me mantenho bem informado do mundo gospel, mas sem a agressão que as vezes encontro em outros blogs informativos.

Como foi a sua conversão a Jesus?

A inclusão no meio evangélico pode ser datada. Ela ocorreu em 1987, quando fui convidado a me retirar da Igreja Católica, por fazer muitas perguntas, e decidi tornar-me protestante, passando a congregar na Igreja de Nova Vida em Botafogo, do saudoso bispo Roberto McAlister. Lá fui batizado nas águas e no Espírito Santo, para glória de Deus. Mas a conversão, no sentido literal da Palavra, é um processo, no qual acredito que cada cristão está inserido, até encontrarmos com o Senhor.

Cite 10 pessoas que marcaram a sua vida cristã e explique a razão. Pastores, irmãos em Cristo mais próximos de você...

Relaciono por ordem cronológica, lembrando que a pergunta se restringe a pastores, ou irmãos em Cristo:

1: Maria Helena, mãe de meu amigo Cefas Carvalho. Foi quem me convidou a conhecer a Igreja de Nova Vida em Botafogo, onde tive meu primeiro encontro real com o Senhor Jesus, em 1987. Ela foi um exemplo de fé e piedade.

2. Noemia. Uma senhora cristã, que me acolheu quando eu não tinha onde morar, em 1989. Sou eternamente grato por isso. Sua filha, Talita, foi testemunha do momento em que Deus me chamou pelo nome, separando-me para o ministério.

3. Marco Antonio. Hoje ele pastoreia a Nova Vida de Copacabana. Foi meu líder, quando eu fazia parte da juventude em Botafogo. Eu o admirava muito.

4. Rosa, minha esposa. Ela me deu motivos para voltar ao primeiro amor, em 1991, quando este já se havia esfriado. Minha confidente, minha conselheira.

5. Antônio Gomes, meu sogro e pastor da Igreja Missionária de Cristo. O maior exemplo de homem de oração e perseverança que já conheci.

6. Onésimo, pastor a quem Deus confirmou minha chamada ministerial, ordenando-me com a imposição de mãos de mais seis pastores, de diferentes denominações, em Abril de 2000.

7. Pedro Quezada, que foi meu professor de Seminário. Foi um privilégio ser enriquecido com suas experiências ministeriais.

8. Hernani Alves, pastor da Igreja Evangélica Jerusalém, que tem cerca de 30 anos de experiência pastoral. Seus conselhos, bem como os de sua esposa, tiveram grande importância em minha vida, tanto pessoal, quanto ministerial.

9. Anibelli, uma jovem missionária a quem admiro profundamente por seu trabalho junto a crianças muçulmanas numa escola no Níger, uma nação pobre da África.

10. Alan Vieira, missionário e escritor do livro Império. Sua paixão por Jesus Cristo, seu desprendimento pelas coisas materiais, sua intensidade no amor ao próximo me impactaram fortemente.

Como ocorreu seu primeiro contato com blogs?

Criei meu blog sem pretensão alguma. Durante um bom tempo eu não tinha nenhum seguidor, apesar de escrever meus artigos. Foi quando nosso querido irmão Danilo, do Genizah, se interessou por dois ou três artigos meus e pediu minha permissão para publicá-los em seu blog, que tem milhares de seguidores. Isto fez com que meu blog fosse mais visitado. Mesmo assim, meu blog continua com poucos seguidores.

Quais as maiores dificuldades que sentiu ao começar a blogar?

Primeiro foram as dificuldades para incrementar meu blog, pois tive que aprender tudo sozinho. Mas o meu maior problema hoje é lidar com pessoas que copiam meus textos e os distorcem, trocando palavras, ou, pior ainda, assinando como se fossem deles. Isso é de uma mediocridade tão grande, que não sei nem se vale a pena reclamar os direitos autorais. Considero importante este direito, porque dá oportunidade aos leitores de saber quem escreveu, possibilitando um contato direto com o autor, seja para criticar, ou para elogiar. Não é por vaidade.

Fale de seu blog:

Meu blog existe para glorificar a Deus através de minhas reflexões. Talvez por isso ele tenha poucos seguidores, pois raramente publico artigos de terceiros. A maior parte do conteúdo tem o enfoque cristão, devido a suprema importância que Jesus Cristo ocupa em minha vida. Percebo que muitos ensinamentos de Cristo têm sido distorcidos ou simplesmente esquecidos. Meu blog tem por missão despertar os irmãos acerca disso. A questão central do meu blog é esta: “o que vemos hoje como igreja é o que Jesus esperava que fosse sua Igreja?” Se você também acha que há algo de muito errado no meio evangélico, comente meus artigos, especialmente os da seção “Despertamento”. Acredito que juntos podemos fazer algo a respeito, que não seja somente criticar. No topo do blog coloquei o título “Seguindo a Verdade em Amor”, pois creio que a teologia não pode estar divorciada da compaixão. Este equilíbrio é fundamental e busco semear a Palavra sem ofender a ninguém. Mesmo assim, sempre há os que se ofendem com a verdade.

Os artigos que publica em seu blog impactam vidas. Na Blogosfera, qual o artigo em outros blogs que você se sentiu impactado?

Boa pergunta... São tantos que fica difícil dizer. Especialmente os artigos de meu amigo, missionário Alan Vieira (http://www.escritoralanvieira.blogspot.com/). Mas gostei tanto de um artigo que li recentemente que vou recomendá-lo aqui. O título é “Será que ninguém viu isto?”, foi escrito por nosso irmão René Burkhardt e trata da questão da unidade entre os crentes de diferentes denominações. Este é um artigo urgentemente necessário.

Como vê a Blogosfera Evangélica hoje? Ela está a contento ou acha que deve mudar o rumo? Se sim, em quais características ela poderia melhorar mais?

Vejo que há duas fortes vertentes opostas na blogosfera evangélica: De um lado, os que alimentam o que chamo de “sistema evangelical” promovendo seus ídolos gospel e o circo em que se transformaram algumas igrejas. E, de outro lado, os que despertaram, ou estão despertando, para a necessidade de um retorno ao evangelho puro e simples de Jesus Cristo. Neste embate inevitável, a única coisa que lamento é quando pessoas que se dizem cristãs faltam com respeito ao próximo. Há limites, que devem ser observados. Devemos fazer ao próximo aquilo que gostaríamos que nos fizessem. Tão importante quanto dizer a verdade é saber “como” dizer esta verdade. Por exemplo, se desejo que o pastor Silas Malafaia volte a pregar biblicamente (sonho meu), não é satirizando ele com chifres que vou conseguir fazer isto. Quem gostaria de ver sua foto sendo publicada desta maneira? Por mais que o conteúdo do artigo seja verdadeiro, a forma como é divulgado não alcançará o objetivo, sendo interpretado como chacota. Se quisermos ser ouvidos e respeitados, precisamos criticar com a piedade que convém aos santos. Se isto for observado, teremos conseguido um grande avanço.

Dê seu parecer sobre os sites de relacionamentos e a influência deles nos blogs. O que acha do Orkut, Tweeter e Facebook? É usuária deles? São boas ferramentas para divulgar blogs?

Apesar de preferir mil vezes conversar pessoalmente, considero os sites de relacionamento uma importante ferramenta para evangelização, uma ponte para novas amizades e, conseqüentemente, para divulgação de nossos blogs. Sim, sou usuário do Orkut, Facebook e Tweeter.

Deixe seu recado para a Blogosfera Evangélica e faça suas considerações finais.

Primeiramente, agradeço a Deus pela vida de nossa amiga Rô, que me concedeu a honra de ser entrevistado no Mulheres Sábias. Além de ser uma incentivadora de nossos blogs, a Rô me motivou a escrever muitos de meus artigos. Valeu, Rô!

Agradeço também ao amigo Fábio Scofield, que foi um dos primeiros a comentar meus artigos, enriquecendo-os com sua teologia pastoral.

E concluo pedindo aos leitores desta entrevista que conheçam meu blog (http://alancapriles.blogspot.com/) e façam um blogueiro feliz: comentem!!!

Versículo para meditação:

“E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.” (2 Coríntios 5:15 RA)

Obrigado pela atenção dispensada. Felicidades a você e todos da sua família. Deus os abençoe mais e mais!

Eu é que agradeço! Deus abençoe a todos cada dia mais!

Próximo entrevistado Pr. Anselmo Melo

47 comentários:

René disse...

Meu amado Alan,

É um prazer poder participar de sua entrevista aqui, nesta ótima iniciativa da Rô.

Admito que fiquei surpreso com as considerações que você fez ao meu blog. Tenho certeza de que, se você gostou de alguns textos e foi edificado por eles, foi por obra do Espírito Santo, que nos ensina todas as coisas. Mesmo assim, agradeço muito a menção.

Pergunto: você tem dito que na igreja que você pastoreia, vocês têm buscado voltar a um tipo bíblico de igreja. Você poderia dar mais detalhes, do que seria isto?

Depois tem mais...

Abração!

Rô! Bjs e Paz!

Cláudio Nunes Horácio disse...

Alan, gostei muito de sua entrevista, especialmente sobre o que você disse do objetivo da repreensão ser o arrependimento e que a zombaria, como colocar chifres na foto do Silas, não gerar resultado positivo algum. Concordo plenamente com você.
Queria saber como você vê o clero, como enxerga a função pastoral?
O que é ser um pastor? Ao seu ver qual é o ensino do Evangelho referente ao pastor?
Obrigado

disse...

Alan, você trocaria seu chamado de pastor um cargo Político?
Paz!

Vovó Noemia disse...

Que satisfação participar deste momento!
A Rô é uma blogueira excepcional e tem iniciativas muito criativas.
Caro Pastor,parabéns por suas colocações, gostei muito da estrevista, e o que vc nos diria sobre o Movimento neopentecostal?

Eder Barbosa de Melo disse...

Ótima entrevista, tô passando correndo, vou trabalhar e mais tarde retorno, meu abraço a Rô, ao Pr. Alan e demais amigos, até mais tarde.

Anselmo Melo disse...

Pr Alan.
É um grande prazer conhecer um pouco do irmão e saber que temos o ministério da IPNV como uma espécie de referencia. Sou um pouco mais das antigas, tive a oportunidade e conhecer o Bispo Roberto e o Bispo Tito quando ainda caminhavam juntos. Agradeço a Deus intensamente pelo privilégio que tive de participar dos congressos da "Aliança" e de conviver com homens que hoje sem dúvida fazem falta em nosso meio. Desejo que Deus enriqueça cada dia mais a sua vida e ministério. Paz!

El Gaucho Santillán disse...

Caro Pastor Capriles:

Eu acho que você é uma pessoa de Deus, a sua maneira (digo isso porque Jimmy Swagart, è Benedicto 16, tambèn são, à suas maneiras) e eu tenho uma dúvida.

Quando você diz "Considero uma questão de sobrevivência espiritual a comunhão com os irmãos da mesma fé", Isso é dizer que qualquer pessoa fora de uma igreja, nao pode ser salvo?

Minha humilde opinião é que os eremitas, podem encontrar Jesus, e alcançar o Reino do céu, sem intermediários.

Não acredita que, o maior obstáculo será o "olho da agulha"?

Um abraço.

Amana disse...

Pastor Alan, achei muito interessante a sua entrevista, especialmente essa frase:

"Quando ouvi, literalmente, a voz de Deus, em março de 1989."

Poderia detalhar isso, por favor?
Como assim, quando ouviu literalmente a voz de Deus?

Abraçooos

Alexandre Pitante disse...

Paz, Rô.

Excelente iniciativa. Não posso deixar também de parabenizar o Alan pelas respostas apresentadas.

Mas, eu tenho a minha pergunta.

Alan, se soubesse que por algum motivo teria que abandonar a função de blogueiro e nunca mais escrever uma matéria. Qual seria a sua ultima matéria, o derrradeito artigo, sobre o que escreveria?

Abraço em Cristo, Alexandre Pitante.

Alan Capriles disse...

Graça e paz, amados!

Sinto-me feliz e muito agradecido pela oportunidade de compartilhar meus pensamentos. Quero responder a todas as perguntas. Então começarei com nosso mano René, que foi o primeiro:

"você tem dito que na igreja que você pastoreia, vocês têm buscado voltar a um tipo bíblico de igreja. Você poderia dar mais detalhes, do que seria isto?"

Não há espaço aqui para detalhes, mas tentarei resumir. Quanto mais leio o NT, me convenço de que o modelo atual de igreja, com diversos departamentos e líderes está distante do modelo bíblico. A igreja está cada vez mais parecida com uma empresa e não com o que Jesus orientou para a vida em comunhão dos discípulos. Durante anos eu segui este modelo empresarial, aprendendo nas reuniões anuais do Summit, promovidas por Bill Hybels, a quem conheci pessoalmente. Resultado: uma grande divisão em nossa igreja. O líder de um departamento saiu e mais de vinte daquele departamento saíram atrás dele. Dai, comprovei o que já desconfiava: este modelo empresarial fragmenta a igreja, formando disputas e dissensões. Então, ao buscar ao Senhor com lágrimas a resposta veio numa releitura do Novo Testamento. Aprendi que tudo quanto necessitamos para a igreja está na própria Bíblia. Não precisamos importar modelos norte-americanos, ou seja lá de onde for. Sendo assim, eliminamos o que não é bíblico: não há mais líderes, o altar não é mais um palco, o culto não é mais um espetáculo - entre outras mudanças, que não dá pra detalhar aqui. Resultado: uma igreja mais leve, mais feliz, mais unida, com ministérios liderados pelo Espírito Santo, ao qual buscamos em oração quando há divergências. É isso. A Deus seja a glória!

Clovis Cabalau disse...

Taí, gostei do cara. Acho que a gente ia se dar muito bem, temos muitas opiniões em comum.
Que a graça do Senhor continue te fortalecendo e direcionando, Pr. Alan.

Pra.Thaís Itaborahy disse...

Pr. Que linda sua entrevista. Simplicidade é linda nas palavras. Continue assim, o mundo precisa de pastores que tenham o foco me Jesus e não em si mesmo. Deus te abençoe e faça prosperar as obras de tuas mãos. Sinceramente, Pra. Thaís
www.palavradevidaaocoracao.blogspot.com

Alan Capriles disse...

Valeu pela pergunta, Cláudio:

"Queria saber como você vê o clero, como enxerga a função pastoral?
O que é ser um pastor? Ao seu ver qual é o ensino do Evangelho referente ao pastor?"

Pastor não é título. Isto é fácil de ser comprovado. Não encontramos nenhum título no Novo Testamento. Por exemplo, não encontramos escrito "apóstolo Paulo", ou "apóstolo Pedro", ou "diácono Estêvão", ou "evangelista Felipe", ou "pastor Timóteo". Nunca aparece no NT o que hoje chamamos de título na frente do nome de nenhum discípulo de Cristo. Por quê? Por que apóstolo, pastor, diácono, evangelista, não são títulos, mas funções, tarefas, trabalho mesmo!

Quanto a função pastoral, como o irmão sabe, esta era exercida pelos mais experientes em cada congregação, que eram os chamados "anciãos" (presbíteros, em grego). Esta é uma tarefa sublime, pois equivale a deixar tudo para apascentar as ovelhas do Senhor Jesus, espelhado nele. Neste sentido, Pedro é um bom exemplo disso. Ele disse que amava o Senhor, mas o Senhor mostrou a melhor forma de provar este amor: "Pastoreia as minhas ovelhas." (João 21:16)

Este é outro ponto importante: Jesus disse "pastoreia as minhas ovelhas". As ovelhas são do Senhor Jesus, que é o Sumo Pastor (1Pe 5:4) e não dos pastores, que também são ovelhas. Hoje muitos pastores dizem ter ovelhas e muitas ovelhas se dizem discípulas de homens. Este é um equívoco grave, que tem gerado traumas em pessoas que são manipuladas por outras.

Em resumo, ser pastor é ser o exemplo. Paulo dizia: "sede meus imitadores como eu sou de Cristo". Infelizmente hoje vemos pastores dizendo "não olha pra mim, não, olhe pra Jesus". Ora, o pastor deve ser o referencial, que inspire cada irmão a desejar ser como ele, alguém cheio do Espírito Santo, que viva em verdade e amor, para glória de Deus.

E, finalmente, o ensino do evangelho referente ao pastor que mais me impressiona é este:

“Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor. E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.” (Mateus 9:36-38 RA)

O verdadeiro pastor é um trabalhador na seara, que entregou sua vida por amor ao Senhor, a fim der apascentar os aflitos e exaustos, que precisam ser conduzidas a um relacionamento íntimo com Cristo.

Pr. Carlos Roberto disse...

Prezada Rô,

Graça e Paz!

Só consegui acessar agora e acho que já fizeram todas as perguntas a pr. Alan!rsrs

Aproveito o momento para parabenizá-la pela brilhante idéia e dizer que através da sua entrevista fiquei conhecendo o blog do Alan. Já estou seguindo e também já está incluso no meu bloglist.

Esse seguidor ele fica te devendo, afinal vc. é a culpada.

Um grande abraço!

Seu conservo,

Pr. Carlos

Cláudio Nunes Horácio disse...

Alan, gostei das suas respostas. Diretas e esclarecedoras. Obrigado. Fica na paz do sumo Pastor.

disse...

Pois é Pr Carlos, sou culpada, rs rs
mas estas entrevistas ajudam bastante a todos a se conhecerem melhor, um acessa o blog do outro isso que é legal, gosto de ajudar.O próximo entrevistado será o Pr. Anselmo Melo, abençoadíssimo que todos já conhecem. Será semana que vem, quero terminar o ano, entrevistado uns cinco ou seis, depois vou entrar com as entrevistas com as meninas. Depois do Anselmo será o irmão René, depois o Pr. Guedes, Juber, e quero pegar o meu queridão da blogosfera, rs rs irmão Alberto,o Pr. carlos Roberto TEM MUITA GENTE AINDA, TEM o Gaucho, e por aí vai. Paz

Alan Capriles disse...

"Alan, você trocaria seu chamado de pastor um cargo Político?"

Rô, eu não trocaria meu chamado pastoral por qualquer outra coisa, muito menos cargo político.

Quando eu quase estive a ponto de deixar o pastorado, foi por vergonha de fazer parte de um sistema tão distante daquilo que o Senhor havia nos ensinado em sua Palavra. Mas a graça de Deus me fortaleceu, e o Senhor aceitou meu arrependimento e tem me ensinado o caminho de volta para o evangelho puro e simples.

Quanto a pastores, ou bispos, tornarem-se candidatos políticos, considero isto um grave pecado. O pastorado é um sacerdócio, uma entrega, uma rendição total a serviço de Cristo. “Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” (1 Coríntios 9:14)
Compreendo que enquanto uma igreja não pode assalariar um pastor este deve continuar com seu trabalho secular. Mas sempre chega um momento em que há tantas ovelhas para pastorear que fica impraticável conciliar as duas coisas. Tive esta experiência no início de meu ministério pastoral. Refiro-me ao pastor titular, ou sênior.

Por outro lado, não tenho nada contra qualquer cristão candidatar-se a cargos políticos, desde que não sejam ministros do evangelho.

“Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou.” (2 Timóteo 2:4 RA)

disse...

Muito bom Alan, tinha certeza que vc não responderia diferente. Paz!

Alan Capriles disse...

"O que vc nos diria sobre o Movimento neopentecostal?"

Amada Noêmia,
o movimento neopentecostal é o pragmatismo sendo colocado em prática na igreja. O pragmatismo se resume na máxima: "fazer o que dá certo, sem se importar com o que é certo".

Neste sentido, o neopentecostalismo inseriu vários elementos e características ao culto visando somente aumentar o número de membros e, consequentemente, a arrecadação.

Conheci um pastor que, após chamar demônios para se manifestarem no culto de "libertação", sempre mantinha alguém incorporado até depois do término. Então, reunia seus obreiros ao redor do endemoninhado e perguntava ao demônio qual deles estava em pecado, para depois colocá-lo em disciplina! Chamavam isto de "escovão"! (rsrsrs) Entrevistava o demônio e, pior, acreditava nele! Quando questionei a base bíblica pra isso, ele me respondeu: "não precisa de base bíblica, está dando certo, e é isso que importa".

Nessa descoberta pelo que dá certo, fazem do culto um entretenimento voltado para agradar o homem e não mais a Deus. Iserem um monte de misticismo e sensacionalismo, pois é disto que o povo gosta. O equívoco neopentecostal é: "se a igreja está enchendo é porque Deus está aprovando", mas sabemos que isto não é verdade. Basta meditar em João 6:60-69.

A melhor análise do neo-pentecostalismo que encontrei está no livro do bispo Walter McAlister: O FIM DE UMA ERA. Recomendo urgentemente a todos a sua leitura.

Alan Capriles disse...

Valeu, Eder! Vou aguardar seu comentário e alguma pergunta que porventura houver.

Alan Capriles disse...

A paz, Anselmo!

Eu também quis estar no congresso da Aliança das IPNV, mas como é muito longe de minha casa, não foi possível. Na verdade, o bispo Tito, que eu também conheço, ainda está pastoreando, só que em São Paulo. Eu fui colega de classe do Marcelo, filho do bispo Tito, num colégio em Botafogo. Nós éramos muito amigos. Quanto ao saudoso bispo Roberto McAlister, há uma entrevista em áudio excelente com seu filho, bispo Walter, no site Mosaico Cristão. Mas tem que entrar logo, porque só fica disponível para download por uma semana. O link é:
http://www.mosaicocristao.com.br/

Basta clicar nas datas 30 e 31/10 para baixar a entrevista, que foi ao ar na rádio 93,3 FM.

Fica esta dica para todos. Um forte abraço!

Alan Capriles disse...

Resposta à "El Gaúcho Santillan", que perguntou:

"Quando você diz "Considero uma questão de sobrevivência espiritual a comunhão com os irmãos da mesma fé", Isso é dizer que qualquer pessoa fora de uma igreja, nao pode ser salvo?
Minha humilde opinião é que os eremitas, podem encontrar Jesus, e alcançar o Reino do céu, sem intermediários.
Não acredita que, o maior obstáculo será o "olho da agulha"?

Resposta:
Conviver em comunhão é uma questão de sobrevivência espiritual "para mim". É uma questão pessoal. Mas a Palavra nos adverte:
“O solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria.” (Pv 18:1)

Quanto a alguém ser salvo fora da igreja, depende do que chamamos igreja. Nossa salvação está em Cristo, não numa instituição. Por outro lado, a Palavra nos ensina que a congregação dos santos é a Igreja e que esta é o Corpo de Cristo.
“Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.” (1Co 12:27)

No entanto, admito que em alguns lugares está difícil encontrar igrejas realmente centradas em Cristo. Mesmo assim, creio que devemos nos esforçar em congregar.
“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.” (Hb 10:25)

Mas concordo que podemos alcançar o Reino dos céus sem intermediários, porém os irmãos mais experientes nos ajudam muito no crescimento espiritual:
“E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos...” (Ef 4:11-12)

Quanto ao "olho da agulha" faço minhas as palavras dos discípulos:
“Então, quem pode ser salvo?” (Mc 10:26b)

Pois, em comparação com as pessoas do tempo de Jesus, somos todos muito ricos. Dependemos totalmente da misericórdia do Senhor.

Cláudio Nunes Horácio disse...

Alan, você já leu os livros do Frank Viola? Se leu, o que achou? Se não leu e quiser ler, por favor baixe-os em: ( http://www.4shared.com/dir/37599989/555f9c97/sharing.html ) principalmente o "conversa franca com os pastores".

Alan Capriles disse...

Sim, Amana. E agradeço por me dar a chance de contar este testemunho.

Tão logo fui batizado nas águas, comecei a sentir-me atraído ao pastorado. Aquilo me incomodava tanto que decidi orar pedindo algo impossível como confirmação. Orei da seguinte maneira: “Senhor, se for mesmo a tua vontade que eu seja pastor, quero ouvir a tua voz me chamando pelo meu nome, audivelmente, e não apenas no coração.” Fiz aquela oração como desculpa para mim mesmo. Desta forma, quando eu sentisse a tal atração, poderia dizer: “Deus não me chamou audivelmente, então não é a vontade dele.”

Pois bem, não sei exatamente quantos dias se passaram, mas foram poucos. Aconteceu numa manhã de sábado, quando minha amiga Talita e eu entrávamos no metrô de Botafogo. Inesperadamente, ao começar a descer os primeiros degraus, ouvi uma voz poderosa, firme, vinda de todas as direções, que disse apenas uma palavra: o meu nome. Era um chamado. A confirmação do meu chamado! Eu parei, pálido, trêmulo e não conseguia dizer palavra. Minha amiga foi testemunha deste fato, apesar de nada ter ouvido.

Naturalmente, os irmãos devem pensar que eu logo entrei num seminário. Muito pelo contrário! Como Jonas, tentei fugir Senhor, indo para São Paulo. Lá eu descobri que é impossível esconder-se de Deus. Enquanto eu caminhava pela Praça da Sé, desempregado e sozinho, parei para ouvir um pregador. Quase que imediatamente ele parou a mensagem e disse: “O Senhor me revela que há entre nós um jovem a quem ele chamou pelo nome, mas que está desviado. Jovem, dura coisa é recalcitrar contra os aguilhões. Onde está você?” Imediatamente caí de joelhos, chorando, e me reconciliei com o Senhor.

Ah, é impossível relembrar isto sem lágrimas nos olhos...

“Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.” (At 20:24)

disse...

Alan, não é mais IPNV, agora é ICNV, mudou, lembro me quando meu pastor Marcio avisou a igreja sobre o porque da mudança, sai triste da igreja porque tirou o Pentecostal, mas hoje já me acostumei, pois a liturgia é a mesma. Paz.

disse...

Meu amigo o que vc achou desta eleição?? Foi bom para o povo de Deus este despertamento para Política?

Alan Capriles disse...

É verdade, Rô! Você tem razão, agora é ICNV, Igreja Cristã de Nova Vida. Passou despercebido. Agradeço a correção.

Eu havia me esquecido desta importante mudança realizada pelo bispo Walter. Ele o fez por causa da interpretação errada que se faz do termo pentecostal. Mas continuam crendo na continuidade dos dons do Espírito Santo, graças a Deus.

Quanto às eleições, achei positivo este despertamento do povo de Deus, por muitos aspectos. Revelou os projetos de lei que ameaçam a moral e que, consequentemente, poderão interferir na igreja. Mostrou que os políticos não podem ignorar os crentes. Serviu para aproximar os católicos dos evangélicos, no que concerne à questão do aborto. Revelou que alguns ídolos evangélicos, tais como Silas Malafaia, Caio Fabio e Macedo, não passam de homens, que caíram na tentação de pagar a maledicência com a maledicência (Lc 6:28). Provou que os evangélicos continuam desunidos. E, por último, comprovou que a maioria do povo ainda não aprendeu mesmo a votar. Tiririca que o diga...

Mas, bem que a gente tentou ajudar, né?!

Graça e paz!

disse...

Pois é, trabalhamos direitinho e fizemos barulho rs rs
Paz!

Suely Rezende - HD disse...

Olá querida Rô!!!

Paz!!

Que iniciativa mto feliz!!!

Vou ler toda entrevista e conhecer este servo do Senhor.

Vou visitar o blog dele também....

Tenha um fds cheio do Senhor,

ah! Obrigada pelo comentário em meu blog (Diego).

beijos
Suely

Presb. Fabio Scofield disse...

Olá! Meu amigo Pr. Alan, Graça e Paz...

Eu não vou comentar nada sobre a sua entrevista, porque ao fazê-lo certamente não seria totalmente fiel ao senhor como pessoa, e muito menos como servo de Cristo; e tratando-se do senhor, este espaço é muito pequeno para que eu venha expressar a minha gratidão a Deus pela sua vida e pelo seu amor; pois eu não posso falar de uma pessoa que foi tão importante para mim e para a minha família no momento mais crucial das nossas vidas “A nossa conversão a Cristo", apenas comentando algum aspecto da sua vida ou do seu ministério. Tenho um profundo respeito pelo senhor como homem e como Pastor.
Parabéns...
Deus abençoe sua vida, sua família e seu ministério, em nome de Jesus...

Obrigado irmã Rô, por esta homenagem ao Pr. Alan...

Amana disse...

que lindo testemunho, pastor alan!
obrigada por compartilhá-lo conosco!

;)

Hubner Braz disse...

Demorei mais cheguei Rô...

Interessante a entrevista, mais tenho uma pergunta...

Pastor, qual é a diferença entre o Batismo com Espirito Santo e o Batismo no fogo???

Voltarei....

Alan Capriles disse...

Resposta ao Alexandre, que perguntou:

"Alan, se soubesse que por algum motivo teria que abandonar a função de blogueiro e nunca mais escrever uma matéria. Qual seria a sua ultima matéria, o derradeiro artigo, sobre o que escreveria?"

Ótima pergunta, Alexandre.
Sem dúvida, eu escreveria um apelo para que todos os cristãos façam uma releitura do Novo Testamento, buscando responder a seguinte pergunta:

“O MODELO DE IGREJA E O CRISTIANISMO QUE PRATICAMOS HOJE ESTÁ DE ACORDO COM O QUE O SENHOR JESUS NOS ENSINOU?”

Acredito que uma releitura do Novo Testamento, mantendo este foco em mente, traria resultados muito benéficos à igreja. Se os pastores fizessem isto com humildade, sinceridade e disposição para mudanças, certamente a reforma começaria pelas pregações, que voltariam a ser centradas em Cristo e não no próprio homem. Esta é uma questão seríssima, de vida ou morte. Este retorno à pregação do genuíno evangelho já traria um resultado enorme para a igreja.

Um forte abraço!

Pastor Guedes disse...

Rô,

Parabéns mais uma vez pela feliz inciativa de entrevistar um blogueiro irmão e fomentar essa "koinonia" na blogosfera. Temos que dar glórias ao nosso Deus pelas pessoas criativas no Reino, como você.

A Paz!

Pastor Guedes disse...

Prezado Pr. Alan,

A Paz!

Li sua entrevista e vi em uma de suas respostas uma breve relação dos autores que o irmão aprecia. Diga-me, como o amado vê o mercado cristão (ou evangélico) e as oportunidades dadas aos nossos escritores tupiniquins? Como você analisa a existência de uma teologia brasileira sem as amarras das "teologias" pré fabricadas que encontramos em nossas editoras ou livrarias?

Parabéns pela entrevista e pelo blog. Estou seguindo você e espero uma visita sua em pastorguedes.blogspot.com

Abraço.
No Amor de Cristo!

disse...

Obrigada Pr. Guedes, vai se preparando que logo, logo será o senhor. Paz!

Regina Farias disse...

Rô, minha linda, um pedido seu é uma ordem rss Demorei um pokito mas vim :) Embora não tenha sobrado uma perguntinha pra mim.

Enfim, me deleito com as respostas do entrevistado, parabenizando-o pelas sábias palavras e aproveito para fazer as minhas considerações.

Como sempre faço - sem desmerecer o restante das palavras de um texto - tem sempre algo que me atrai mais e este fragmento abaixo foi o sorteado:

"No topo do blog coloquei o título “Seguindo a Verdade em Amor”, pois creio que a teologia não pode estar divorciada da compaixão. Este equilíbrio é fundamental e busco semear a Palavra sem ofender a ninguém. Mesmo assim, sempre há os que se ofendem com a verdade".

Então...

Isso de "se ofender" é um bom indicativo para que a gente faça uma reflexão e veja "a quantas anda" a própria maturidade espiritual, buscando distinguir a ofensa real do "sentir-se ofendido".

Eu cresci ouvindo os mais antigos dizerem que "a verdade dói" sem entender bem seu significado, intrigada com essa tal de verdade que carrega em si esse estigma... mas aí depois de adulta comecei a entender que a verdade dói no nosso orgulho, nosso ego, nossa teimosia, nossos conceitos arraigados dos quais não queremos abrir mão.

Tem um provérbio que diz:

"... repreende o sábio e ele te amará. Dá instrução ao sábio e ele se fará mais sábio ainda".

Deus abençõe a todos!

disse...

Re, não precisa de perguntar, já disseste tudo. Deus te abençoe. Paz.

Alan Capriles disse...

Resposta ao Cláudio, que perguntou:

"Alan, você já leu os livros do Frank Viola?"

Recentemente fiquei muito interessado por um livro dele, mas o preço estava salgado e não pude levar. Mas acabo de aproveitar sua dica e, após pagar o "preço" de apenas 20 segundos, agora já comecei a ler. Quando terminar lhe digo o que achei. Valeu, mano!

Graça e paz!

Alan Capriles disse...

Resposta ao Hubner, que perguntou:

"Pastor, qual é a diferença entre o Batismo com Espirito Santo e o Batismo no fogo???"

Amado irmão, eu não tenho todas as respostas, mas vou deixar minha posição a este respeito.

Como você sabe, as únicas passagens que falam sobre batismo com fogo (ou no fogo - tradução mais correta do grego) são as que se referem a João Batista falando a respeito do Senhor Jesus. “Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.” (Mt 3:11 e Lc 3:16)

Pois bem, analisando o contexto, temos o seguinte:
“Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível.” (Mt 3:11-12)

Portanto, provavelmente, o fogo a que João Batista se refere não é nenhuma segunda experiência após o batismo no Espírito Santo, mas o fogo inextinguível, para onde irão aqueles que rejeitarem ao Senhor, que é nossa única esperança de salvação.

Quando lemos o livro de Atos, que revela a dinâmica da igreja, não temos nenhum caso de outro tipo de batismo, após o batismo no Espírito Santo. Tal ensino, de batismo no fogo, também é ausente nas epístolas.

Por outro lado, quando buscamos no Senhor, recebemos a renovação do derramar do Espírito Santo (exemplo: Atos 4:31). Eu escrevi sobre isto em meu blog, no artigo intitulado “O segredo de um evangelista” no qual reproduzo o trecho de um livro de Charles Finney.

Esta renovação do Espírito, que já experimentei diversas vezes, é como um fogo queimando por dentro. Daí talvez alguns confundam isto com ser “batizado no fogo”. Mas, sinceramente, não creio que era sobre isto que João Batista estava se referindo.

Agradeço pela pergunta. Desejando maiores esclarecimentos, fique a vontade!

Deus lhe abençoe mais e mais!

Alan Capriles disse...

Resposta ao Pastor Guedes, que perguntou:

"Diga-me, como o amado vê o mercado cristão (ou evangélico) e as oportunidades dadas aos nossos escritores tupiniquins? Como você analisa a existência de uma teologia brasileira sem as amarras das "teologias" pré fabricadas que encontramos em nossas editoras ou livrarias?"

Amado pastor,
Vejo que precisamos “garimpar” quando estamos numa livraria evangélica. É grande a quantidade de lançamentos, mas pequena a relevância da maioria. De qualquer forma, tenho por princípio “examinar tudo e reter o que é bom”. Ainda que um livro não seja excelente, sempre há algo que possa ser aproveitado (pensando bem, nem sempre!)

Outra questão é o preço. Acabo de responder ao Cláudio, que perguntou se eu havia lido algo do Frank Viola. Lembro que já desejei comprar uma obra deste autor, mas o preço estava muito salgado. Recentemente precisei desistir de outro livro, quando a vendedora me revelou o preço, que achei absurdo.

Quanto ao que você mencionou, de haver “uma teologia brasileira sem as amarras das teologias pré fabricadas”, admito não estar em condições de fazer tal análise. Eu precisaria pesquisar mais a respeito.

Mas, quanto às “oportunidades dadas aos escritores tupiniquins” receio que eu vá saber disto em breve. Estou trabalhando no lançamento de meu primeiro livro, que será editado por conta própria e com a ajuda de amigos. Depois, pretendo levar para várias editoras cristãs, buscando uma reedição.

Um de meus melhores amigos, Alan Vieira, já está passando por esta experiência. Ele é missionário e escreveu um excelente livro de ficção, chamado Império, cuja renda é destinada a missões. Segundo nos contou, tem levado seu livro para várias editoras e ainda não teve reposta, apesar de já ter esgotado os primeiros mil exemplares. Aliás, se alguém quiser conhecê-lo e ajudá-lo, este é o link de seu blog: http://www.escritoralanvieira.blogspot.com/

Aproveito para pedir oração pelo lançamento de meu livro, que tratará da mensagem do Evangelho, o que ela realmente significa, biblicamente falando, e qual sua importância para hoje. Metade da renda também será destinada a missões.

Agradeço pelas perguntas. Deus abençoe cada dia mais sua vida e ministério!

Eder Barbosa de Melo disse...

Acabei demorando pra voltar mais do que deveria, meus dias tem sido corridos, e nesse fim de semana, estou trabalhando no enem, sendo assim não acrescentarei mais perguntas, apenas elogio o participante pela coerencia e compromisso com a verdade do evangelho, temos muito em comum, constato que a união de pessoas que pensam como nós, podem fazer grande diferença na rede, mas como influenciar no mundo real? Ih acabei fazendo uma pergunta sem querer... Pastor Alan, parabéns. E a Rô que nos permitiu este agradavel encontro.

Cláudio Nunes Horácio disse...

Obrigado Alan, fica na paz de Jesus.

disse...

Obrigada Alan por aceitar meu convite para entrevista. Deus abençoe seu ministério sempre. Paz!

Alan Capriles disse...

Rô, eu é que agradeço imensamente pela oportunidade. Tenho feito novos amigos depois que vc publicou a entrevista. Conhecer estes irmãos é uma grande alegria pra mim.
Aproveito para agradecer a todos que fizeram novas perguntas e também aos que, apesar de não perguntarem, foram tão atenciosos comigo. Agradeço a todos, de coração.
E, por falar em perguntas, gostaria de dizer que aceito réplicas, ok? Se alguém quiser contestar algo, fiquem a vontade. Senti um pouco de falta disso.
E, finalmente, parabéns pelo blog e pelo seleto (e cada vez maior) número de seguidores.
Seu blog é uma bênção. Você é uma bênção!
Que Deus abençoe a todos cada dia mais!!!

sandra disse...

A Paz do Senhor a todos.querido Pastor ALAN só tenho que agradeçer a Deus pela oportunidade de ser membra de uma igreja tão abençoada,me orgulho por fazer parte dessa linda familia biblica crista.pois hoje em dia a fé e o amor de muitos estão se esfriando então temos que agradeçer ao nosso Senhor pela oportunidade de esta numa igreja onde temos pastores que levam o evangelho a serio.Que Deus continue lhe abençoando.abraços sandra alves da silva meirelles...

Alan Capriles disse...

Querida irmã Sandra,
Minha oração ao Senhor é que eu possa fazer por merecer a honra de pastorear ovelhas de Cristo como você, que sabem valorizar a verdade, o amor e a igreja onde congregam.
Deus continue lhe abençoando cada dia mais!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...