Subscribe:

21 de outubro de 2017

Bibi Perigosa real comentará final de ‘A Força do Querer’ ao vivo Fabiana Escobar também participará de vídeo ao vivo na página de VEJA no Facebook

Fabiana Escobar, a Bibi Perigosa da vida real que inspirou a personagem de Juliana Paes em A Força do Querer, comentará em VEJA o final da novela das 9 da Globo, nesta sexta-feira. Os comentários de Bibi poderão ser conferidos no site a partir das 21 horas. Além disso, antes do último capítulo do folhetim de Gloria Perez ir ao ar, Bibi participará de um vídeo ao vivo na página de VEJA no Facebook. Ela também entrará em uma live no primeiro intervalo comercial da novela e em outro vídeo no decorrer do capítulo.

Assim como a Bibi do folhetim, Fabiana se casou com um homem que seria preso por tráfico. Enquanto o marido da novela é Rubinho (Emilio Dantas), o companheiro da vida real era Saulo de Sá Silva, conhecido como Pinga ou, ainda, Barão do Pó da Favela da Rocinha. Depois da prisão do marido, com quem ela ficou por catorze anos, até 2010, Bibi Perigosa começou, ela mesma, a tocar os negócios ilícitos, sem nunca ter sido presa. Essa história ela contou em um blog pessoal e no livro Perigosa, que lançou em 2013.

Veja Abril

http://veja.abril.com.br/entretenimento/bibi-perigosa-real-comentara-final-de-a-forca-do-querer-ao-vivo/

Do celibato à confissão, veja as principais diferenças entre católicos e protestantes


Diferenças entre católicos e protestantes
Batismo na piscina, pastoras e suco de uva são pontos de divergência entre católicos e protestantes

EDUARDO MOURA
DE SÃO PAULO

A Reforma Protestante, que completa 500 anos em 2017, provocou um racha no cristianismo e abriu espaço para o surgimento de inúmeras denominações.

Sem ignorar a grande diversidade do mundo protestante, a Folha elencou algumas das principais diferenças entre católicos e evangélicos.




SALVAÇÃO

Edin Abumanssur, professor de ciência da religião da PUC-SP, diz que a salvação, para os católicos, "dependerá da conduta do cristão", que deve tentar se desviar do pecado.

Já no protestantismo, "uma vez salvo, sempre salvo", diz a antropóloga Lidice Meyer, professora de ciências da religião da Universidade Mackenzie. Mas isso não significa que o crente não deve evitar a transgressão religiosa.

A linha de raciocínio segue um caminho diferente: enquanto no catolicismo são as "boas obras" que levam à salvação, no protestantismo, sobretudo aqueles das igrejas históricas, "as boas obras são frutos dessa salvação" –já anteriormente determinada por Deus.

Meyer lembra, no entanto, que algumas igrejas neopentecostais pregam que, dependendo da conduta do crente, pode-se "perder a salvação".


BÍBLIA

O Antigo Testamento dos protestantes possui sete textos a menos do que a versão católica: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, 1 Macabeus e 2 Macabeus.

A maior parte do Antigo Testamento foi originalmente escrita em hebraico. No século 3 a.C., Ptolomeu 2º do Egito, para engordar sua célebre biblioteca de Alexandria, ordenou a tradução das escrituras para o grego, língua mais "internacional" de sua época. Optou por incluir os sete textos citados acima, possivelmente pelo seu valor histórico. Essa versão acabou sendo adotada pela Igreja Católica.

A leitura de Martinho Lutero, monge que deu início à Reforma Protestante, era de que tais textos não tinham Deus como figura central. A tradição protestante, então, adotou a versão hebraica da Bíblia, com os sete textos a menos.

MINISTÉRIO FEMININO

Segundo Abumanssur, "o protestante afirma e crê no sacerdócio universal, isto é, todos são sacerdotes de si e dos irmãos".

A tradição mais livre de interpretação da Bíblia permitiu que algumas denominações entendessem que mulheres podem ser ordenadas.

Entendimento que é bem posterior a Lutero: a Igreja Luterana da Alemanha nomeou a primeira pastora na década de 1940.

A Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil ordena mulheres desde a década de 1970, enquanto a Igreja Evangélica Luterana do Brasil, que pertence a outra vertente, não aceita o sacerdócio feminino.

Igrejas pentecostais e neopentecostais costumam aceitar o ministério feminino. A Assembleia de Deus ordenou sua primeira pastora em 2005. A Igreja Universal do Reino de Deus não admite pastoras.


CONFISSÃO



O sacramento da confissão do catolicismo foi um dos principais pontos criticados por Lutero, que há meio milênio afixou 95 teses na porta de uma igreja de Wittenberg, na Alemanha.

Para os protestantes, todos os crentes têm "livre acesso a Deus", diz Meyer, e portanto não há necessidade de um intermediário na figura de um sacerdote ou de um padre.


PAPA

Nas igrejas protestantes, não há uma figura equivalente à do papa. "É comum haver colegiados", conta Abumanssur.

Lidice Meyer destaca três tipos de governança. Nas igrejas de perfil presbiterial, os fiéis elegem um conselho, os presbíteros. Como exemplo, temos a Igreja Presbiteriana.

As congregacionais –entre elas, Igrejas Batistas e Assembleias de Deus– possuem uma estrutura descentralizada em comunidades locais "autônomas".

As episcopais possuem uma estrutura piramidal de governo. São as que mais se assemelham à Igreja Católica, nesse aspecto. Neste mesmo grupo, encontram-se tanto a Luterana e a Anglicana quanto a Universal do Reino de Deus e a Renascer em Cristo.


CELIBATO DOS SACERDOTES

Cerca de oito anos após divulgar suas 95 teses, Lutero se casou com a ex-freira Catarina de Bora. Desde então, nas igrejas protestantes, o casamento não é vetado aos sacerdotes.

Edin Abumanssur diz que, como no protestantismo todos têm acesso direto a Deus, não se aceita a ideia de um sacerdote "separado" do restante da população. Portanto, vida mundana e vida religiosa não se contrapõem.

Antes de Lutero, havia sacerdotes casados na Igreja Católica, diz o sociólogo. O Concílio de Trento, conferência eclesiástica católica convocada em meio a um contexto de contrarreação à Reforma, "definiu de uma vez por todas essa questão".

O padre católico deve renunciar à vida mundana para seguir sua vocação e se dedicar exclusivamente à religião.




SANTOS E IMAGENS

As imagens e santos têm uma função pedagógica dentro da Igreja Católica, como se indicassem um exemplo a ser seguido, uma inspiração, diz Abumanssur. Nas reformadas, contudo, a visão é de que essas figuras "podem desviar a devoção".

Meyer conta que a tradição protestante enxerga o culto a imagens e a santos como uma forma de idolatria, ou seja, de que se acaba cultuando as imagens e não a Deus.

Essa rejeição, diz Meyer, só se inicia de fato com João Calvino, fundador da vertente
posteriormente ao surgimento do luteranismo e do anglicanismo, cujas igrejas não negam por completo a figura dos santos.

SACRAMENTOS

Apenas dois sacramentos são aceitos em todo o cristianismo: o batismo e a eucaristia (comunhão e
santa ceia). De acordo com a tradição protestante, são os únicos que constam na Bíblia e que foram instituídos por Jesus Cristo.

Os reformados seguem a máxima "Sola Scriptura", ou seja, "somente a escritura" e, por isso, rejeitam como sacramento instituições que têm origem anterior ou posterior a Cristo, como é caso do matrimônio, da crisma, da penitência (confissão), da ordem e da unção dos enfermos.

Ao todo, são sete os sacramentos católicos.

BATISMO

Nas igrejas Batistas e pentecostais, o batismo é feito por imersão, ou seja, o fiel é mergulhado em um rio ou piscina.

De acordo com a Bíblia, o batismo de Jesus Cristo foi feito no rio Jordão. Essas denominações interpretam que, por se tratar de um lugar com muita água, Cristo foi mergulhado no rio, diz Meyer.

A Igreja Católica e as protestantes históricas seguem uma tradição da aspersão, em que uma pequena quantidade de água é borrifada ou derramada na cabeça do fiel.

Segundo a antropóloga, há registros de batismos efetuados por Pedro e Paulo em lugares onde não havia água em abundância. Entendeu-se que não havia possibilidade de imersão, dando origem a essa tradição.

EUCARISTIA

Na eucaristia católica, em geral somente o padre bebe o vinho, e todos os fiéis tomam a hóstia.

Na Santa Ceia protestante, pão e vinho têm função simbólica e são compartilhados por todos.

Nas igrejas históricas, em geral passa-se pão e um cálice de vinho de mão em mão.

Nas pentecostais, é comum que se passe uma bandeja com vários pedaços de pão e outra com pequenos copos contendo suco de uva, geralmente.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/10/1927472-do-celibato-a-confissao-veja-as-principais-diferencas-entre-catolicos-e-protestantes.shtml

20 de outubro de 2017

Aluno atira em escola de Goiânia, mata dois estudantes e deixa feridos Suspeito pelos disparos é um adolescente de 14 anos, que cursa o 8º ano. Ele é filho de militares e está apreendido.





Suspeito pelos disparos é um adolescente de 14 anos, que cursa o 8º ano. Ele é filho de militares e está apreendido.




Um tiroteio ocorreu no início da tarde desta sexta-feira (20) no Colégio Goyases, escola particular de ensino infantil e fundamental, em Goiânia. De acordo com o Corpo de Bombeiros e com a Polícia Militar, dois estudantes morreram e outros quatro ficaram feridos na unidade, localizada no Conjunto Riviera, bairro de classe média.


O tiroteio ocorreu por volta do meio-dia. O suspeito pelos disparos é um adolescente de 14 anos, estudante do 8º ano do colégio, que está apreendido. Ele é filho de militares, segundo confirmou ao G1 o coronel da Polícia Militar Anésio Barbosa da Cruz. “Informações preliminares dão conta que ele estaria sofrendo bullying, se revoltou contra isso, pegou a arma em casa e efetuou os disparos”, disse.


Um estudante de 15 anos, que estava na sala no momento do tiroteio, também contou que o adolescente era vítima de chacotas.



"Ele sofria bullying, o pessoal chamava ele de fedorento pois não usa desodorante. No intervalo da aula, ele sacou a arma da mochila e começou a atirar. Ele não escolheu alvo. Aí todo mundo saiu correndo", relatou o aluno.





Adolescente suspeito de efetuar disparos está apreendido, em Goiânia (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)


Os baleados foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros. Segundo o órgão, um dos feridos foi atendido pelo Grupo de Radiopatrulha Aérea (Graer) da Polícia Militar e levado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Outros quatro, segundo a corporação, foram levados a unidades de saúde por terceiros.



O Hugo informou que três adolescentes estão no local, sendo duas meninas e um menino. A unidade disse que eles passam por atendimento e não há detalhes do quadro dos pacientes. O quarto ferido foi levado para outro hospital.


O Instituto Médico Legal (IML) informou ao G1 que, até as 13h, os corpos dos dois estudantes não tinham sido identificados e seguiam na escola.


O suspeito pelos tiros foi levado à sede da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai) e, em seguida, encaminhado para o IML para os exames de corpo de delito. Posteriormente, deve retornar à delegacia.



(Foto: Arte/G1)


O Corpo de Bombeiros relatou ainda que uma mulher ligou no 193, se identificando como professora, e disse que uma pessoa invadiu a escola e fez diversos disparos.Pânico


O Colégio Goyases tem turmas do 1º ao 9º ano do ensino fundamental, com crianças e adolescentes de idades entre 6 e 15 anos.


O G1 entrou em contato, às 12h50, por telefone, com a unidade, e foi informado pela coordenadora que toda a equipe está “consternada” e que a administração da escola não irá se manifestar por enquanto.


Outra estudante, que estava dentro do colégio no momento do tiroteio disse, emocionada, o que aconteceu. “Ele saiu dando tiro em todo mundo da sala. Eu segurei na mão da minha amiga e fui até a polícia. Não sabia o que fazer”, relatou à TV Anhanguera.

18 de outubro de 2017

BRASILEIROS JÁ PAGARAM R$1,7 TRILHÃO EM IMPOSTOS EM 2017 NO ANO PASSADO, MONTANTE FOI REGISTRADO EM 11 DE NOVEMBRO

PRESIDENTE DA ACSP DIZ QUE CARGA TRIBUTÁRIA PESOU MUITO NO BOLSO DO CONSUMIDOR, MAS SEM GANHO REAL (FOTO: REPRODUÇÃO/ACSP)

Os brasileiros já pagaram em 2017 mais de R$ 1,7 trilhão em impostos. A marca foi alcançada nesta quarta-feira, 18, às 8 horas. O registro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) ocorre 24 dias antes do que em 2016, o que significa que os brasileiros estão pagando mais tributos em 2017.



“A cifra de R$ 1,7 trilhão chega influenciada pelo aumento da inflação e pelos setores que pagam mais impostos, como a indústria, com destaque para o arranque do ramo automobilístico”, explica o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti.

Segundo ele, a "estimativa é de que o Impostômetro encerre o ano com cerca de R$ 2,172 trilhões pagos, valor superior às arrecadações dos últimos anos". Para Burti, "neste ano, a carga tributária pesou muito no bolso do consumidor; no entanto, a população não teve ganho real com isso".

O presidente-executivo do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), João Eloi Olenike, ratifica ao dizer que a contagem e a exposição dos números apresentados pelo painel incentivam a formação de um senso crítico em relação à alta taxa de tributos pagos pela população, que tem o direito/dever de cobrar o retorno destes valores e vê-los destinados a serviços públicos de qualidade, na mesma proporção que os tributos são arrecadados.


Diário do Poder

MODESTO CARVALHOSA E PSL ENTRAM COM AÇÃO CONTRA FUNDÃO ELEITORAL BILIONÁRIO


MODESTO CARVALHOSA E PSL ENTRAM COM AÇÃO NO STF CONTRA 'FUNDÃO'

Tiago de Vasconcelos
  •  
  •  
  •  
O escritório do jurista Modesto Carvalhosa e o Partido Social Liberal protocolaram ação direta de inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal contra o fundão eleitoral de quase R$ 2 bilhões, aprovado pela Câmara dos Deputados.



A Adin pretende suspender os efeitos da Lei 13.487/17, da reforma política, que instituiu o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o chamado “fundão eleitoral”.

O Partido Social Liberal, futuro Livres, foi o único partido que aceitou participar da ação, apesar de todos terem sido procurados para “dar corpo” ao processo.

A Constituição prevê no Artigo 17, parágrafo 3°, que a única fonte de recursos públicos de um partido político é o Fundo Partidário e que qualquer outra fonte de recursos públicos destinados a pessoas jurídicas de direito privado – como são enquadrados os partidos políticos pelo Código Civil – só seria válida por meio de emenda constitucional. Para aprová-la, no entanto, seriam necessários obter 3/5 dos votos dos da Câmara e do Senado Federal.

"Assim, o Congresso Nacional criou uma nova fonte de financiamento de campanhas eleitorais dos partidos políticos, com recursos públicos, a par da já existente e contra a letra e o espírito da Constituição", diz o documento apresentado ao STF. "Ocorre que, não por emenda à Constituição, e sim por meio de simples lei ordinária, é que o Congresso Nacional deu à luz esse sumidouro de dinheiro público alcunhado de FEFC", continua a Adin.

O fundão eleitoral bilionário foi aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente Michel Temer no último dia 6 de outubro. A fonte de recursos virá de 30% do total das emendas parlamentares de bancada e do corte de gastos com propaganda eleitoral no rádio e na TV.

"Noutras palavras, 30% de recursos da União que, por força do art. 23 da Constituição, devem ser aplicados em áreas como saúde, educação, habitação e saneamento básico dos Estados membros e do Distrito Federal, passam, em vez disso, e graças à lei do FEFC, a custear partidos e seus candidatos nas campanhas eleitorais já a partir de 2018", reclamam o PSL e Modesto Carvalhosa.

O fundão provocará no Orçamento do ano que vem um “rombo” de ao menos R$ 300 milhões.


Diário do Poder

TASSO JEREISSATI DEFENDE SAÍDA DE AÉCIO DA PRESIDÊNCIA DO PSDB "ACHO QUE ELE NÃO TEM CONDIÇÕES, DENTRO DA CIRCUNSTÂNCIA QUE ESTÁ", DECLAROU O TUCANO






Um dia depois de o plenário do Senado ter decido devolver o mandato parlamentar de Aécio Neves (PSDB-MG), o senador Tasso Jereissati (CE) , presidente interino do PSDB, defendeu que o mineiro renuncie à presidência do partido.



"Acho que ele não tem condições, dentro da circunstância que está, de ficar como presidente do partido. E nós precisamos ter uma solução definitiva e não provisória", disse Tasso ao chegar ao Senado na manhã desta quarta (18).

Tasso, que ocupa interinamente a presidência da sigla desde que Aécio passou a ser investigado com base nas delações premiadas dos executivos da JBS, acrescentou que ainda não conversou com o colega tucano sobre o assunto, o que deve ocorrer até o fim da tarde de hoje.

Sobre a decisão do plenário do Senado de ontem, Jereissati avaliou que o resultado está sendo mal interpretado. “A decisão de ontem foi a decisão da maioria e eu acho que é mal interpretada. No meu entender é dar ao senador Aécio o que ele não teve até agora, que foi o direito de defesa . Aqui, no próprio Senado, ele vai ter o Conselho de Ética onde ele vai ter que se defender e ao mesmo tempo o julgamento no Supremo continua”, lembrou ao ressaltar que, na Justiça, Aécio terá o direito de apresentar sua defesa que é o desejado do partido.

Aécio tinha sido afastado do mandato parlamentar por medida cautelar determinada pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). O colegiado também havia imposto o recolhimento noturno e a entrega do passaporte. No entanto, ontem, o plenário do Senado decidiu, por 44 votos a 26, suspender os efeitos da decisão da Corte.

Conselho de Ética

Pela segunda vez este ano, Aécio é alvo de uma representação no Conselho de Ética da Casa, por quebra de decoro parlamentar. Essa representação, apresentada em setembro pelo PT, ainda não foi analisada pelo colegiado. Em julho, Aécio teve um pedido de cassação, movido pela Rede, arquivado. (ABr)

Diário do Poder

CÂMARA PREPARA FIM DA JUSTIÇA DO TRABALHO, INCONFORMADA COM BURLA À REFORMA BOICOTE À REFORMA PODE DECRETAR O FIM DA JUSTIÇA DO TRABALHO



SEDE DE MEIO BILHÃO DE REAIS DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO: O FIM ESTÁ PRÓXIMO.

A Câmara vai reagir duramente à articulação de entidades de juízes do Trabalho para boicotar a reforma trabalhista, que entra em vigor no dia 11. A ideia é votar projeto que extingue a Justiça do Trabalho, “justiça jabuticaba” que só existe no Brasil. A reação à desobediência de juízes recebeu o apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em reunião com deputados que atuaram na Comissão da Reforma Trabalhista. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Rodrigo Maia havia defendido a extinção da Justiça do Trabalho em março: chegou a afirmar em Brasília que “não deveria nem existir”.
O projeto prevê, com a extinção, que magistrados do Trabalho de todos os níveis, inclusive ministros, serão realocados na Justiça Federal.
Estudos mostram que a modernização das leis trabalhistas tornará inócua a Justiça do Trabalho, o que motiva mais a defesa da extinção.
Entidades de “profissionais do Trabalho” têm feito seminários com sugestões de pretextos para que eles boicotem a reforma trabalhista.


Diário do Poder
http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=90023200902

PSOL avalia líder do MTST, Guilherme Boulos, para disputar a Presidência

  • Por Estadão Conteúdo
  •  
  • 18/10/2017 09h02
  •  
  •  

Reprodução/Facebook
Boulos fez duras críticas à provável candidatura de Bolsonaro (PSC-RJ) à Presidência, representante da extrema-direita na corrida eleitoral do próximo ano
O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos (sem partido), entrou na mira do PSOL para disputar a Presidência da República nas eleições do próximo ano. Após o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) declinar da possibilidade de disputar o Palácio do Planalto, lideranças do partido que evitavam falar abertamente no nome de Boulos por respeito ao parlamentar passaram a defender o líder dos sem-teto como representante da sigla na disputa de 2018.
Depois de três meses de consultas e avaliações, Alencar anunciou anteontem que não vai disputar a Presidência – ele prefere se candidatar a senador pelo Rio. “O PSOL vai fazer uma sinalização em direção ao Boulos. Ele tem posições ideológicas e programáticas bastante próximas do partido e agora devemos convidá-lo para uma reunião da direção”, disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).
Em entrevista na terça-feira, 17, à TV Estadão Boulos evitou o assunto, mas não admitiu nem descartou a possibilidade de se candidatar pelo PSOL. “Nesse momento estou focado em ajudar a organizar o processo de resistência ao desmonte do governo (Michel) Temer em relação aos direitos sociais, fazendo mobilizações como, por exemplo, a ocupação em São Bernardo do Campo e também em um debate mais amplo de projeto para o País”, disse.
Desde o fim de julho, Boulos tem se dedicado ao Vamos!, uma plataforma inspirada no Podemos, da Espanha, e a Geringonça, de Portugal. O grupo reúne setores do PT, PSOL e PC do B, além de militantes de organizações de esquerda não partidárias para a discussão de um programa para 2018.
Líderes da esquerda, até mesmo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, viram na iniciativa uma tentativa de criar um caminho alternativo para a esquerda desgastada com as denúncias de corrupção envolvendo o PT e com a queda da presidente cassada Dilma Rousseff.
Boulos, que é admirador declarado do Podemos espanhol, negou que o objetivo do Vamos! seja eleitoral. No início de novembro, o Vamos! vai trazer ao Brasil a socióloga Marisa Matias, candidata derrotada à presidência de Portugal pelo Bloco de Esquerda, o sociólogo Boaventura de Souza Santos, entusiasta da Geringonça, e o secretário de Movimentos Sociais do Podemos, Rafa Maioral.
Anti-Bolsonaro
Na entrevista à TV Estadão, Boulos fez duras críticas à provável candidatura do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) à Presidência, representante da extrema-direita na corrida eleitoral do próximo ano.
Segundo Valente, é natural que o candidato do PSOL polarize com Bolsonaro.
De acordo com Valente, o objetivo do PSOL ao buscar Boulos é ampliar o alcance eleitoral do partido para outros setores da esquerda e deverá fazer exigências caso ele aceite o convite. “A possibilidade de filiação dele é uma opção política e partidária e vai exigir compromissos de longo e médio prazos”, disse.
O PSOL não quer esperar a definição sobre a candidatura de Lula e deve cobrar de Boulos uma resposta até no máximo o início de 2018. Embora parlamentares do PSOL digam que a maioria do partido apoia a filiação do líder dos sem-teto, a pré-candidatura de Boulos já enfrenta resistências. “Boulos atua no espectro do PT. Não amplia para o PSOL e nos coloca em uma situação ambígua”, disse o professor universitário Nildo Ouriques, que se apresentou como pré-candidato do PSOL para 2018


Jobem Pam Uol

http://jovempan.uol.com.br/noticias/politica/psol-avalia-lider-do-mtst-guilherme-boulos-para-disputar-a-presidencia.html

15 de outubro de 2017

Zé de Abreu fala das contas reprovadas pelo MinC e adota “padrão Lula” ao colocar a culpa na ex-mulher.




O inacreditável Zé de Abreu se manifestou a respeito das notícias mostrando que o MinC reprovou as contas de sua turnê:





Alguns comentários dos leitores:


Ceticismo Político 

Paraguai proíbe ideologia de gênero em escolas públicas Decisão foi tomada após protesto de cristãos diante do Congresso




O Ministério da Educação e Ciência do Paraguai cedeu à pressão dos cristãos do país e emitiu uma resolução nesta terça-feira (10) proibindo a “disseminação e uso de materiais” referente à “ideologia de gênero” nas escolas públicas.
A proibição afeta tanto instituições educacionais públicas quanto as subsidiadas, que não podem usar qualquer tipo de recurso, seja ele impresso ou digital, que se refira ao assunto. “O Ministério não vai promover a ideologia do gênero como qualquer outra ideologia, por exemplo, a ideologia política”, disse o ministro da educação Enrique Riera.
A resolução também determina que a Diretoria Geral de Currículo, Avaliação e Orientação revise os textos educacionais e emita um relatório com propostas, adotadas de acordo com os “princípios constitucionais e legislação atual do país”, no prazo de 60 dias.
Além disso, as Coordenadoras e Supervisoras Educacionais serão responsáveis ​​por assegurar o cumprimento desta lei.
Os materiais que agora estão proibidos falavam sobre homossexualidade e bissexualidade para crianças que cursam o ensino primário. Também dizia que “o gênero é uma construção social”.
A medida do MEC responde à controvérsia que surgiu algumas semanas atrás quando centenas de pessoas, a maioria cristãos, fizeram um protesto na frente do Congresso para reivindicar um sistema de educação pública baseado em “valores familiares tradicionais, estabelecidos na Constituição”.
O artigo 52 da Constituição do Paraguai afirma que “o casamento entre o homem e a mulher é um dos elementos fundamentais na formação da família”.
“Quero lhe dizer que o Ministério da Educação se baseia no artigo 52 da Constituição Nacional, de uma família tradicional, de valores tradicionais, com pai, mãe, filhos: também é a minha posição e nós naturalmente respeitamos as diferentes opções, mas não as infundiremos nas escolas públicas”, enfatizou Riera.
“Respeito a diversidade, mas isso não significa incutir uma ideologia de gênero”, acrescentou o ministro que foi apoiado pelo presidente Horácio Cartes, que sempre se assumiu como um conservador. Com informações Elescpectador

Gospel  Prime 

13 de outubro de 2017

Crivella anuncia que não destinará verbas para Parada Gay no Rio e irrita militância LGBT



O prefeito Marcelo Crivella (PRB) despertou a fúria dos movimentos LGBT do Rio de Janeiro ao anunciar que a prefeitura não destinará verbas para a organização da Parada Gay na cidade por causa da crise econômica.

A decisão gerou acusações de que Crivella – que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus – tem “preconceito contra cidadãos LGBTs”, de acordo com informações da Rádio Nacional.

“O Executivo do Rio de Janeiro tem sido criticado pela decisão de não patrocinar as paradas do orgulho LGBT e com a falta de dinheiro a festa em Copacabana não tem data para ocorrer e a de Madureira que constava no calendário do mês da diversidade da própria prefeitura foi adiada de 29 de outubro para 25 de novembro”, diz o texto publicado no site da emissora.

Em entrevista coletiva, Crivella negou as acusações e explicou os motivos da decisão: “Não tem [preconceito] mesmo. Nós temos uma secretaria [da diversidade], que temos apoiado. Agora, todos sabem que estamos vivendo um problema de crise grande”, explicou.

“As pessoas também reclamam: ‘Crivella, nós temos que reabrir todas as atividades sociais dos idosos’; ‘Crivella, nós precisamos colocar mais recursos nos hospitais’; e coisas do tipo. Agora, de onde vêm esses recursos, se caiu tremendamente a arrecadação e herdamos uma dívida de R$ 4 bilhões?”, questionou o prefeito.

Crivella Anuncia Que Não Destinará Verbas Para Parada Gay No Rio E Irrita Militância LGBT

Crivella anuncia que não destinará verbas para Parada Gay no Rio e irrita militância LGBT
13 de outubro de 2017


O prefeito Marcelo Crivella (PRB) despertou a fúria dos movimentos LGBT do Rio de Janeiro ao anunciar que a prefeitura não destinará verbas para a organização da Parada Gay na cidade por causa da crise econômica.

A decisão gerou acusações de que Crivella – que é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus – tem “preconceito contra cidadãos LGBTs”, de acordo com informações da Rádio Nacional.“O Executivo do Rio de Janeiro tem sido criticado pela decisão de não patrocinar as paradas do orgulho LGBT e com a falta de dinheiro a festa em Copacabana não tem data para ocorrer e a de Madureira que constava no calendário do mês da diversidade da própria prefeitura foi adiada de 29 de outubro para 25 de novembro”, diz o texto publicado no site da emissora.

Em entrevista coletiva, Crivella negou as acusações e explicou os motivos da decisão: “Não tem [preconceito] mesmo. Nós temos uma secretaria [da diversidade], que temos apoiado. Agora, todos sabem que estamos vivendo um problema de crise grande”, explicou.

“As pessoas também reclamam: ‘Crivella, nós temos que reabrir todas as atividades sociais dos idosos’; ‘Crivella, nós precisamos colocar mais recursos nos hospitais’; e coisas do tipo. Agora, de onde vêm esses recursos, se caiu tremendamente a arrecadação e herdamos uma dívida de R$ 4 bilhões?”, questionou o prefeito.
Polêmicas

Marcelo Crivella vem adotando uma postura que tem incomodado setores da sociedade. Recentemente, anunciou que não permitiria que a exposição “Queermuseu” entrasse em cartaz no Museu de Arte do Rio (MAR).

Uma negociação entre os produtores e a direção do espaço artístico vinha sendo feita para expor as pinturas com apologia à zoofilia, pedofilia e vilipêndio a símbolos religiosos.

No começo deste mês, Crivella sancionou um projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal estabelecendo o dia 14 de abril como o “Dia do Avivamento”, para lembrar o início do movimento pentecostal pelo mundo, marcado pelas reuniões de evangélicos na Rua Azusa, em Los Angeles, Califórnia (EUA), em 1906, lideradas pelo pastor William Seymour.


Noticias Gospel mais

12 de outubro de 2017

Em vídeo, executivo da Odebrecht confirma US$ 35 milhões para Maduro


A ex-PGR venezuelana Luisa Ortega Díaz publicou em seu perfil no Twitter vídeo do depoimento de Euzenando Azevedo, presidente da Odebrecht Venezuela, que admite ter pago a Nicolas Maduro o valor de US$ 35 milhões em propina. Madurou queria US$ 50 milhões...

 

Declaración del presidente de Odebrecht-Venezuela, Euzenando Acevedo, sobre pagos a @NicolasMaduroVideo completo en http://lortegadiaz.com 


O Antagonista 

Carmen Lúcia Matou A Lava Jato


  • 12 de outubro de 2017
Por O Antagonista

Helio Gurovitz fez um ótimo comentário sobre o voto do STF que garantiu a impunidade de Aécio Neves – e o fim da Lava Jato.
Ele tratou, em particular, do voto de Cármen Lúcia, que se curvou à linha imposta por Gilmar Mendes.
Leia aqui:
“Numa pantomima farsesca ontem à noite, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) – em especial a presidente Cármen Lúcia, a quem coube o voto de Minerva – salvaram a pele do senador Aécio Neves e dissiparam a crise institucional com o Congresso. Mas aplicaram um golpe decisivo no combate à corrupção e na Operação Lava Jato (…).
Cabia a Cármen Lúcia desempatar. O voto dela foi uma das exposições mais vacilantes e obscuras no conteúdo jurídico – e mais claras na sujeição à pressão política. Cheio hesitações, vaivéns e argumentos convolutos, lembrou uma daquelas figuras fractais cujo comprimento tende ao infinito e cuja área – ou substância – tende a zero (…).
Apesar de todos os cuidados para preservar sua autonomia, o STF abriu mão da prerrogativa de instância maior na decisão de questões constitucionais, aquela que tem o direito a ‘errar por último’, como afirmou Ruy Barbosa, citado por Celso de Mello em seu voto. Evitou, é verdade, uma crise maior com o Congresso. No próximo dia 17, um Senado feliz deverá livrar Aécio das punições previstas no CPP.
Mas o STF abriu também uma avenida para livrar a cara dos políticos acusados na Lava Jato. O relator da operação, ministro Fachin, se vê limitado na possibilidade de impôr punições aos corruptos. Sob o manto de preservar a imunidade garantida pela Constituição aos parlamentares, o Supremo acabou por ampliar a (já ampla) esfera da impunidade.”

Lava Jato News
http://www.lavajatonews.com/2017/10/12/carmen-lucia-matou-a-lava-jato/

11 de outubro de 2017

Fachin expõe risco de desmoralização que corre o Supremo


Com Blog do Josias - UOL


Relator da ação sobre os poderes do Supremo Tribunal Federal para decretar medidas cautelares contra congressistas, o ministro Edson Fachin foi cirúrgico em seu voto. Conseguiu expor, além da sua posição, o risco a que está submetida a Suprema Corte. Lembrou que a causa já foi definida, em 5 de maio de 2016, quando Eduardo Cunha teve o mandato de deputado suspenso por decisão unânime do Supremo. Por que mudar o entendimento agora?, eis a pergunta que ficou no ar.
Fachin sustentou em seu voto que o Supremo pode, sim, impor a deputados e senadores sob investigação criminal medidas alternativas à prisão, como suspensão do mandato e recolhimento domiciliar noturno —providências decretadas no caso de Aécio Neves. O ministro julgou improcedente a tese segundo a qual a Câmara ou o Senado precisariam avalizar as sanções. É isso o que defendem os partidos aliados de Cunha e autores da ação: PP, PSC e SD.
No último sábado, ao comentar o caso de Aécio Neves e a conjuntura eletrificada que envolve o julgamento desta quarta-feira, Cármen Lúcia, presidente do Supremo, deu a entender que a Corte está diante de uma novidade, uma causa “diferente, inédita”. Enfatizou: “Nunca se enfrentou isso no Supremo.”
Sem mencionar Eduardo Cunha, o relator cuidou de lembrar que não há novidade sobre a bancada dos ministros. Disse Fachin: “Sobre a possibilidade de submissão de parlamentar às medidas alternativas à prisão, este Supremo Tribunal Federal, à unanimidade, à unanimidade [o ministro repetiu o vocábulo], em 5 de maio de 2016, quando do julgamento do referendo da ação cautelar 4.070 [que envolvia Cunha], assentou a possibilidade de se determinar o afastamento das funções de parlamentares em situações pontuais e excepcionais.”
Fachin recordou trechos do voto que levou à suspensão do mandato e ao afastamento de Cunha da presidência da Câmara. Foi redigido por Teori Zavaschi, que morreu em acidente aéreo. Só o Congresso pode cassar mandatos parlamentares, dissera Teori. Fachin abriu aspas para o colega também no trecho em que ele enfatizou outras duas “competências” do Legislativo.
“Primeiro, a competência para resolver sobre a prisão de seus membros caso tenham sido eles detidos em fralgrante por crime inafiançável e, segundo, para sustar o andamento de ação penal que porventura tenha sido recebida contra senador ou deputado por crime ocorrido após a diplomação.”
Fachin foi generoso na concessão de aspas ao colega morto: “Fora dessas hipóteses, acrescentou o ministro Teori, no que foi seguido por todos nós, as investigações em processos criminais deflagrados contra parlamentares haverão de transcorrer ordinariamente, sem qualquer interferência do Poder Legislatiuvo, inclusive quanto à execução das demais medias cautelares previstas no ordenamento…”
O relator arrematou as citações a Teori com o seguinte trecho: “Assim, a partir de quando um parlamentar possa ser alvo de investigação por crime comum perante o foro apropriado, também esses agentes políticos haverão de se sujeitar a afastamentos temporários da função, desde que existam elementos concretos de particular gravidade, que revelem a indispensabilidade da medida para a hígida sequência dos trabalhos judiciários.”
Como que antevendo um placar apertado, a ser definido nos últimos votos, Fachin teve o cuidado de recordar como votaram em maio de 2016 Cármen Lúcia e o decano Celso de Mello, que serão os últimos ministros a votar. Ambos referendaram o afastamento de Cunha.
Disse Fachin: “Eu me permito destacar trechos do voto da ministra Cármen Lúcia, quando, após enfatizar a excepcionalidade da possibilidade de se determinar o afastamento de parlamentar, fundamentou seu voto, dentre outras, nas seguintes razões: ‘O Supremo Tribunal Federal, nesta decisão, não apenas defende e guarda a Constituição, como é da sua obrigação, como defende e guarda a própria Câmara dos Deputados, para resguardar todos os princípios e regras que têm de ser aplicados, uma vez que a imunidade referente ao cargo e àqueles que o detêm não pode ser confundida em nenhum momento com impunidade ou a possibilidade de vir a sê-lo. Afinal, a imunidade é uma garantia, porque a República não comporta privilégios…”
Na sequência, Fachin deu voz ao Celso de Mello, reproduzindo-lhe um trecho do voto sobre Cunha: “[…] A medida cautelar, como bem destacou o ministro Teori Zavaschi, tem por finalidade impedir que se concretize o risco de uso do poder institucional para delinquir, porque o Supremo Tribunal Federal não pode permitir que sequer se configure o risco da prática da delinquência pelo agente público, enquanto no desempenho de suas atividades funcionais.”
Com método, Fachin iluminou a cena. Os colegas que quiserem apagar os votos que trataram Eduardo Cunha a ferro e fogo, terão de dar saltos mortais retóricos para justificar a meia-volta. Podem servir refresco aos aécios que ainda perambulam pelo Congresso como se não houvesse Lava Jato. Mas submetem o Supremo Tribunal Federal ao risco de desmoralização.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...